21/12/2015 às 14h32min - Atualizada em 21/12/2015 às 14h32min

O Dicionário Curiuvês

As palavras e expressões que só o curiuvense conhece

Este é um guia rápido para você, que está chegando na cidade agora, se acostumar com o nosso dialeto. Se você mora aqui mesmo, mande para um parente de longe chegar "carçado" no nosso jeito de falar e não passar "perrengue".

Acionar o Getúlio: até algum tempo atrás, o seu Getúlio era dono da única funerária da cidade. Então acionar o Getúlio era sinal de que a coisa tava preta.
Ade Capaaiz: o curiuvense nativo é loco de desconfiado. Se alguém te conta alguma coisa que ele desconfia, logo solta um: Ade Capaaiz!
Animal (animar): animal, para sitiante que se preze, é só o cavalo. O resto é criação.
Armar a capa: uma saída rápida, providencial.. A expressão vem dos cavaleiros, que penduram a capa quando apeiam. Por exemplo: "eu tava no meio de um entrevero, mas a coisa foi ficando ruim pro meu lado, então eu armei a capa"
Assou o zóio: é claro que deve ser uma coisa ruim, significa "se deu mal".
Atorar: em Curiúva, não se corta caminho, se atora!
Caboco: o mesmo que sujeito. Quando você que elegiar a pessoa, daí você diz "Oquete, caboco véio!"
Calípio: todo mundo tá largando mão da roça, da lavoura e das criação pra plantar eucalipto.
Cagando e andando: eu não sei qual a vantagem, mas quando o caboclo diz Tô cagando e andando, quer dizer que não está nem aí pro assunto.
Cagar de porta aberta: significa isso mesmo, a expressão máxima de tranquilidade.
Chame o Bube: essa é dos anos 80. O Bube era motorista da ambulância da Barrosa, então quando algo ruim acontecia, era só chamar o Bube.
Corviando: judiando de um animal.
Crêênndios pai: é uma expressão de espanto, tal qual "Gente do céu", "Má que diabo esse tróço?", "Deuzolivre", "Puta la merda" e "Mai é o c... da cobra!"
Cróque: Curiuvense nunca fica na posição de cócoras, fica de cróque!
Dando chute em cabeça de porco por causa de guabiroba
: é quando o cara tá numa pior mesmo, tendo que disputar a fruta no banhado.
Dar com a mão: refere-se a fazer sinal para o ônibus.
Entrevero: não sei se em outra cidade tem outros sentidos, mas aqui quer dizer encrenca, confusão, briga.
Esgualepado: quase o mesmo que "escafiotado", quer dizer judiado, estragado.
Fechou o repolho: o mesmo que "fechou o tempo", ou seja, começou uma briga.
Fianco: "Passe meio de fianco que cabe": atravessado, na diagonal.
Foi pro Sapêco: caiu em desuso e foi substituída por "encheu a grota", ou seja, morreu.
Heite Nuve: fiquei triste quando ouvi a piazadinha das lan houses chamando os jogadores mais desligados de newbie. No meu tempo era nuve mesmo, que quer dizer anuviado, com a cabeça nas nuvens.
Lavoura: refere-se apenas ao cultivo de feijão. Roça, roça é de milho!
Lida: afinidade. É como aquele povo do Big Brother se justifica ao votar em alguèm. "Eu vou votar na Priscila porque não tenho lida com ela".
Loco de bão: mais que bom, é a satisfação por algo concretizado.
Mar de caspela: o jogo de bolinha de gude, burco ou burquinha merece um dicionário próprio, e a gurizada mais nova deve tá precisando, porque este jogo está em extinção. Pra um jogador poder fazer um movimento ou jogada, ele pede "Boa" de alguma coisa. Quando ele quer impedir que o adversário faça o mesmo, ele grita "Mar" de alguma coisa. Por exemplo: "Mar de caspela": o adversário só pode acertar a bolinha em cheio, não vale de caspela (raspão). "Boa de Limpis": ele pode limpar o caminho entre ele e o alvo. "Boa de Troquis": ele pode trocar de lugar, buscando uma posição mais fácil de atingir o alvo. E ainda tem o "Mar de Repique", que eu não me lembro o que significa, e se você souber é só deixar um comentário abaixo.
Oriá: refere-se ao tempo, "o tempo tá oriano hoje", quer dizer que o tempo tá clareando, depois de um período de chuva.
Ornar: quantas vezes ouviu do pedreiro: "isso aqui não tá ornando muito não dona", isto é, combinando.
Passar o facão: mentir. Vem do blefe do jogo de truco. O duro é se o outro pedir 6.
Pé de Tode: o sotaque típico "leite quente" não permite que o curiuvense pronuncie corretamente o nome do famoso achocolotado Toddy, com som de "i" no final. Então o piá que anda muito descalço é chamado de pé de tode, já que o seu pé ficou marrom igual à cor do chocolate.
Pinchar: muito prático, substitui 2 palavras, pois significa "jogar fora"
Pior que é memo: ato de confirmar algo.
Regular: tem 2 sentidos. O primeiro: "manhê, a Joaninha tá regulando ki-suco pra mim", ou seja, quer dizer ridicar, cainhar alguma coisa. O segundo: "é muito bão andá de moto, regula avoá", isto é, siginfica semelhança, que é parecido.
Saci com cãibra: uma pessoa em situação difícil, tal qual um saci com cãibra.
Sapeando: quando o caboco está observando ou participando de algo que não foi convidado, ele está "sapeando". O termo "sapo de fora" é, portanto, um pleonasmo, já que se o cara é sapo, ele já é de fora.
Só a capa da gaita: eu nunca vi uma capa de gaita, mas de qualquer forma isso quer dizer que o caboclo ou objeto tá acabado, só o pó.
Taco-atrás: vem de outro jogo que a gente não vê a piazada jogando na rua mais, o bete-ombro (em Curiuvês se fala tudo junto: betiombro). O Taco-atrás ocorre quando o jogador que está com o taco não acerta a bolinha em cheio, e ela em vez de ir para frente, vai para trás do jogador. Lembrando: três taco-atrás perde o taco.
Tongo: xingamento típico, porém leve. quer dizer burro. O pior é ser chamado de "Lazarento, fio da mãe, fio da pulícia, caipora, animar véio, animar de teta (esta é demais!), jacú, disgranhento, desgraçado ou lazarento dos inferno!"
Troço: uma coisa, um objeto, um acontecimento. "Pense num troço engraçado aquele dicionário que o fio do Mano pos na internética"
Turmada: é o mesmo que turma, só que mais genérico.
Um abraço pro gaiteiro: coisa ou assunto sem solução. Despedida;
Veiaco: tem 2, o que não paga as contas e outro, segundo o Javert, aquele caboclo que entra de bunda no mato pra dizer que tá saindo!
Vina: Salsicha. Deriva do termo alemão vinewürst (embutido).
Vindor: esse termo é do tempo do "agá de gancho", refere-se à pessoa que não é da cidade. "Esse caboco não é de Curiúva, ele é vindor".
Vivente: pessoa que vive, um cidadão propriamente dito.
Xunxo: coloquei com "X", mas poderia ser com "Ch". Quer dizer 2 coisas: um roubo, um desvio ou marmelada. "Aquele jogo de futebol não valeu, teve xunxo". Também serve para designar um serviço mal feito, uma gambiarra.
 

Notícias Relacionadas »
Comentários »
  • Vantuil escreveu
    04/05/2016 às 10h16min

    Mar de repique, quer dizer que se você mirasse numa bolinha e a tua acertasee primeiro em outra para depois atingir o alvo, ou seja que repicasse primeiro numa bolinha para depois atingir o alvo, não valia...

  • Ana Meri escreveu
    27/01/2016 às 17h33min

    "ade capaz" deve vir do "há de"..." como o "havera de" vem do "houvera de" expressões que ouvíamos muito dos adultos em criança e que foram adaptando -se ao linguajar dos jovens, como o "crêndios pai" vem do "creio em Deus Pai" quando as pessoas se benziam frente alguma tragedia. E, não sei se ainda usam, ma tem o "Jacú", " larguei os bete", "eh há...moque é tongo", "Carpi uma data", "assuntando" e tantos mais. Bom relembrar. Abraços.

  • 27/01/2016 às 15h49min

    Mar de inveza, boas de vorta, mar de impurso... tinha o "mar de tudo", daí o adversário assava o zóio!

  • 27/01/2016 às 12h30min

    Manoel muito bom o soaio da gaiota....ri muito!!! Só para relembrar que no tempo das búlicas o significado de mar de repique seria que quando o jogador realizava a jogada, se sua bola de gude acertasse na do outro jogador, só poderia tirar uma dele, caso houvesse repique nas outras búlicas. Tinha casos que quando não tinha mar de repique e a bola de gude acertada repicasse nas outras logo à frente era tirada quantas búlicas tivessem repicado na após a primeira.Também tinha mar de carretão,lembra

Comentar
(caracteres restantes: 500)